Porque é que precisamos uns dos outros?

Porque precisamos uns dos outrosPorque é que precisamos uns dos outros?

O João vive sozinho, mas é socialmente muito activo. Tem muitos amigos com quem passa muito tempo e vê com frequência. No entanto, sente-se triste e decepcionado porque as suas amizades não parecem dar resposta às suas necessidades. Ele não sente que tenha uma conexão com os outros e um sentimento de satisfação. Apesar da sua vida social ocupada, sente-se sozinho e solitário.

O Luís vive sozinho e tem dois amigos íntimos que vê ocasionalmente. Quando se encontra com eles, diverte-se a conversar sobre determinados eventos e desportos, bem como pensamentos e sentimentos que cada um tem em relação às suas vidas. Quando não está no trabalho ou na companhia dos outros, o Luís não se sente sozinho porque passa o seu tempo envolvido em actividades que lhe interessam e que lhe dão energia.

Revê-se na história do João ou do Luís? Geralmente, o isolamento é uma condição resultante de um estado de solidão. Se gostaríamos de ter mais relacionamentos interpessoais do que os que realmente temos, podemos desenvolver sentimentos de solidão.

No entanto, não é o número de relações sociais que determina se nos sentimos sozinhos. Pelo contrário, são as reações emocionais e cognitivas que experienciamos quando nos conectamos aos outros que determinam o sentimento de solidão. Por exemplo, podemos sentir sinais de solidão quando reparamos que o seguinte está presente no quotidiano das relações sociais: desconfiança, conflito emocional ou falta de apoio social.

O João e o Luís vivem sozinhos e têm amigos; no entanto, aquele com uma vida social mais activa sente-se solitário. Porquê? Estar sozinho pode trazer tristeza ou um sentimento de desesperança, ou pode trazer algo diferente, como crescimento espiritual e criativo, reintegrando a saúde e a energia. Os relacionamentos do João não parecem dar-lhe o que ele precisa ou deseja – um gozo ou um propósito – e, portanto, sente-se desprovido de conexão e, talvez isso o faça querer relacionamentos que sejam mais gratificantes. Por outro lado, o Luís parece beneficiar das interacções que mantém com os amigos e também passa algum tempo sozinho. Além disso, parece não querer ter mais conexões interpessoais.

Não sabemos muito sobre o João e o Luís, quem eles são enquanto pessoas. No entanto, sabemos que as seguintes características podem estar associadas à solidão: timidez, baixa autoestima, isolamento social.

Sentir-se sozinho é normal; para alguns, pode ser muito assustador e destrutivo. No mínimo, dói. A solidão também pode tornar-se algo que traz consequências severas em termos físicos e mentais, tais como: isolamento social, depressão, abuso de substâncias, perturbações do sono e alteração do apetite, pensamentos e comportamentos auto-destrutivos e os sistemas imunitário e cardiovascular são prejudicados.

SolidãoPor isso, o tratamento nestes casos é direcionado para o aumento das interações sociais da pessoa, dando-lhe ferramentas sociais e oportunidades para as colocar em prática. Em terapia, também pode ser útil modificar os pensamentos negativos que temos acerca dos outros e das relações sociais. O grau de solidão pode ser diminuído, ajudando-nos a perceber como a forma como vemos o mundo à nossa volta pode ser prejudicial para nós, perpetuando, assim, os nossos problemas.

Nós, enquanto seres humanos, por necessidade, evoluímos como seres sociais. A dependência e a cooperação entre nós aumentaram a nossa capacidade de sobreviver em circunstâncias ambientais adversas. Embora as ameaças de sobrevivência destas circunstâncias tenham diminuído no mundo de hoje, continuamos a ter a necessidade de nos ligarmos um aos outros.

Na nossa era digital avançada, uma das preocupações predominantes em relação à solidão é como nos tornamos menos cuidadosos com os outros, já que anteriormente, a nossa própria sobrevivência dependia dos relacionamentos de confiança e de entreajuda. Fundamentalmente, não importa o quão tecnologicamente sofisticados nos tornemos; a conexão emocional continua a ser uma parte essencial do ser humano. Precisamos uns dos outros – talvez não da forma que nos caracterizou evolutivamente, mas por uma necessidade que permanece essencial para a sobrevivência psicológica.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

4.7
4,7 rating
4.7 em 5 estrelas (total de 3 avaliações)
Excelente!67%
Muito bom33%
Assim, assim0%
Fraco0%
Péssimo0%
09/03/2020

È verdade me identifiquei com alguns itens como;pertubação do sono, e imunidade baixa.

Maria Irenilce de Lima
04/01/2020

É importante falar-se nestes assuntos. A solidão é realmente um assunto bastante doloroso, contudo ainda representa um Tabu na nossa sociedade, pois muitas vezes as pessoas são mal interpretadas, outras nem sequer aceitam a diferença – “pois o meu caso é que é normal! – dizem!!
Assim, gostei muito do facto de terem apresentado dos casos distintos sobre o mesmo tema, para que a sociedade comece a entender que não somos um rebanho de carneiros que correm todos para o mesmo local. «Até a ovelha choné salta fora do rebanho e as conduz para novas aventuras :)»
Muito obrigada por este artigo.

MCosta
27/12/2019

Muito bacana o texto. Geralmente nunca insiro comentários na internet, mas esse realmente merece destaque pela forma simples e interativa do texto

Anónimo
Cristiana Pereira
Cristiana PereiraPsicóloga Clínica
Load More Posts
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros