O que fazer para cuidar da saúde mental em tempos de quarentena

O nosso dia-a-dia mudou há semanas atrás. Ao vermos as notícias, percebemos como é aterrorizante saber que uma doença como o coronavírus (COVID-19) está a espalhar-se por todo o mundo. As fases iniciais de uma pandemia podem ser uma grande fonte de ansiedade, pois durante este período não sabemos muito bem com o que estamos a lidar ou como vai ser ou se vai ser duradouro, etc.

Por isso, sentimentos de medo, ansiedade, tristeza e incerteza são normais durante uma pandemia. Felizmente, ser proativo em relação à saúde mental pode ajudar a manter a mente e o corpo mais fortes. A forma como lidamos com o stress pode ajudar bastante a garantir que estamos a tomar medidas úteis na gestão da saúde mental. Como?

Leia notícias de fontes oficiais

Evite os meios de comunicação que desenvolvem um sensacionalismo ou insistem em coisas que não podem ser controladas. Recorra a fontes oficiais que fornecem informações ​sobre como se proteger, como a DGS e a OMS.

Desenvolva um plano de ação

Existem algumas tarefas que podemos fazer diminuir o risco. Pode ser tão simples quanto lavar bem as mãos e limitar as viagens. Quando reconhecemos estas limitações, também estamos a ter em conta o que temos sob o nosso controlo.

Defina limites para o consumo dos media

Estarmos constantemente a ouvir falar da rapidez com que a doença se está a espalhar ou quantas pessoas estão a ficar infetadas aumentará a nossa ansiedade. Estabeleça um período para ver as notícias, sendo que o recomendável é apenas uma vez por dia.  Ou seja, apesar de ser importante manter-se informado, também é importante que não seja bombardeado com notícias que despoletem ansiedade o dia todo.

Evite “ir atrás dos outros”

Muitas pessoas tomam medidas que não ajudam. Não se deixe levar só porque os outros estão a comprar “isto” ou “aquilo” (a menos que seja recomendado pela DGS). Caso contrário, as suas ações podem revelar-se apenas como um dispêndio de energia.

Tenha atenção ao autocuidado

Ter uma dieta equilibrada, dormir bastante e fazer atividades de lazer é essencial para ajudá-lo a manter-se o mais fisicamente e psicologicamente saudável possível durante momentos stressantes. Um bom autocuidado também ajuda o seu sistema imunológico a manter-se fortalecido.

Procure ajuda profissional

Se a sua saúde mental estiver a ser afetada pelo stress do coronavírus, é aconselhável procurar ajuda profissional. Um profissional de saúde mental pode ajudá-lo a gerir os seus medos e a sua ansiedade através de técnicas e estratégias de regulação emocional.

Por isso, além das preocupações com a saúde mental que podem surgir como resultado da ansiedade em torno de uma pandemia, é importante estar atento às condições de saúde mental existentes para garantir que elas não pioram.

Depressão e ansiedade

Estudos revelam que alguns indivíduos podem apresentar problemas de saúde mental pela primeira vez durante uma pandemia, como dificuldades de adaptação, depressão e ansiedade.

Um estudo decorrente do surto do vírus Ebola na Serra Leoa, revelou um aumento do número de pessoas que relataram problemas de saúde mental e psicossociais. Um outro estudo do surto de gripe H1N1 em 2009 indicou um aumento de uma variedade de sintomas emocionais, incluindo perturbações somatoformes (sintomas como dor e fadiga que não podem ser totalmente explicados por uma causa física).

Além disso, algumas condições de saúde mental existentes podem piorar. Estudos sugerem que indivíduos especialmente vulneráveis ​​ao stress e à ansiedade podem estar em maior risco.

Investigadores da Universidade Carleton, em Ottawa, Canadá, descobriram que as pessoas que eram menos capazes de tolerar a incerteza experienciavam mais ansiedade durante a pandemia do H1N1. Estes indivíduos também eram aqueles que menos acreditavam que poderiam fazer qualquer coisa para se proteger.

Ruminação ou isolamento

As reações de cada um ao medo crescente podem ser diferentes. Muitas pessoas dão por si a pensar mais sobre a possibilidade de adoecerem. Também podem modificar bastante o seu comportamento quando não é justificado (por exemplo, isolar-se ou preparar-se para resultados catastróficos).

Como reajo?

Talvez encontre pessoas à sua volta em pânico. Por outro lado, também pode encontrar aquelas que não parecem preocupadas quando uma pandemia está em ascensão, com a certeza de que isso não as afetará. Pode sentir-se assoberbado por todo o tipo de emoções – ou talvez esteja confuso e não saiba como se sentir.


Respostas ao desconhecido

As pessoas tendem a reagir exageradamente face a ameaças desconhecidas na mesma medida que reagem a ameaças familiares. Por exemplo, embora os acidentes de carro sejam comuns, conduzir ou andar de carro provavelmente não parece assustador, pois, provavelmente, é algo que fazemos regularmente.

Da mesma forma, pode não recear tanto a gripe sazonal. Afinal, sobreviveu até agora combatendo a gripe ou evitando-a. No entanto, a gripe afecta uma boa parte da população durante o ano.

Por isso, é mais provável desenvolver ansiedade perante circunstâncias com as quais está menos familiarizado. Esta é uma das razões pelas quais as pandemias do passado, como o vírus Ebola e o vírus Zika, criaram um aumento da ansiedade na maioria dos indivíduos.

Felizmente, a maioria das pandemias desaparece quase tão rapidamente quanto começa. Mas, gerir a sua ansiedade ao mesmo tempo que está a tentar perceber as informações acerca do vírus e como se pode proteger, pode ser difícil. Felizmente, tornar-se proativo em relação ao seu bem-estar psicológico pode ajudá-lo a gerir a sua saúde mental durante estes momentos de incerteza.


Fontes:
Kamara S, Walder A, Duncan J, Kabbedijk A, Hughes P, Muana A. Mental health care during the Ebola virus disease outbreak in Sierra LeoneBulletin of the World Health Organization. 2017;95(12):842-847. doi:10.2471/blt.16.190470
Page LA, Seetharaman S, Suhail I, Wessely S, Pereira J, Rubin GJ. Using electronic patient records to assess the impact of swine flu (influenza H1N1) on mental health patientsJ Ment Health. 2011;20(1):60–69. doi:10.3109/09638237.2010.542787
Taha S, Matheson K, Cronin T, Anisman H. Intolerance of uncertainty, appraisals, coping, and anxiety: the case of the 2009 H1N1 pandemicBr J Health Psychol. 2014;19(3):592–605. doi:10.1111/bjhp.12058

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

0
0,0 rating
0 em 5 estrelas (total de 0 avaliações)
Excelente!0%
Muito bom0%
Assim, assim0%
Fraco0%
Péssimo0%

Cristiana Pereira
Cristiana PereiraPsicóloga Clínica
Load More Posts
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

2020-04-29T17:55:22+01:00Abril 29th, 2020|Ansiedade, Artigos, Bem-estar, Cristiana Pereira, Dicas, Serviços, Stress|