O luto não é uma luta, é uma necessidade

O luto não é uma luta, é uma necessidadeCada um de nós tem uma forma diferente de viver o luto, não apenas pelas nossas características pessoais, mas também pela cultura onde estamos inseridos, pelas nossas crenças, pelo meio onde estamos inseridos, pelo contexto em que se dá a perda, pelo tipo de relação previamente estabelecida.

Todos estes fatores podem influenciar a forma como vivemos o luto. Assim, como em qualquer outra circunstância, o luto deve ser visto do ponto de vista biopsicossocial, ou mesmo antropobiopsicossocial, pois não são apenas os fatores biológicos, psicológicos e sociais que estão em causa, mas também os fatores antropológicos, culturais.

Contrariamente àquilo que nos habituamos a ouvir, quando falamos de luto, não falamos apenas de morte, podemos falar de um divórcio, ou do fim de uma qualquer relação, da perda de um animal, da perda de emprego, da perda de um membro, ou de uma doença crónica, entre outros acontecimentos. O luto é então um fator que ocorre em diversas circunstâncias e em diferentes momentos da nossa vida. Trata-se de uma resposta mental necessária, que não devemos tentar travar, a uma perda significativa, que geralmente se associa a um desinteresse pelo mundo exterior e recorrente preocupação com a memória do que foi perdido.

Alguns dos sintomas característicos do luto são a melancolia, dor profunda, desinteresse pelo mundo em geral, inibição generalizada, raiva, culpa, desamparo, entre muitos outros. Os sintomas podem ser vários, pois cada pessoa vive o luto de forma muito própria, e a mesma pessoa pode reagir a um processo de luto de diferentes formas, consoante a perda e a situação em que ela ocorre.

Para ultrapassarmos o luto é necessário primeiro que tudo aceitarmos a perda (enfrentar a fase de choque que muitas vezes se traduz numa negação). Em seguida devemos permitir-nos viver a dor. Posteriormente a isso existe a necessidade de uma nova adaptação e por fim o enlutado deve procurar fazer novos investimentos, investir em outras relações.

Para reencontrar o seu equilíbrio existem algumas sugestões que pode ter em conta:

  • conversar acerca do assunto com familiares e amigos,
  • procurar estabelecer novas relações,
  • participar em atividades sociais,
  • descansar,
  • relaxar,
  • fazer exercício,
  • ter bons hábitos de sono e alimentares,
  • divertir-se (colocando a culpa de lado),
  • lembrar-se de como ultrapassou outras situações semelhantes no passado,
  • procurar recordar aspetos positivos e negativos antecedentes à sua perda,
  • procurar coisas positivas na sua vida,
  • não tentar esquecer a dor,
  • dar tempo para cicatrizar as feridas,
  • procurar grupos de apoio (terapêuticos, sociais, religiosos)

ou,

faça psicoterapia caso sinta necessidade. Independentemente das estratégias o importante é deixar-se enlutar, pois o luto é um mal necessário.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

4.5
4,5 rating
4.5 em 5 estrelas (total de 2 avaliações)
Excelente!50%
Muito bom50%
Assim, assim0%
Fraco0%
Péssimo0%
11/03/2019

Gostei. Ajudou-me a encarar melhor a situação de perda…Obrigada

Maria Albertina Pereira
11/03/2019

Considero uma excelente abordagem tendo em conta a particularidade do assunto em causa.
Mas sim, o percurso está todo mencionado e falo na primeira pessoa. Estou a acabar um processo de luto e os sentimentos assaltam-nos de forma intensa e cruel. é necessário muita persistência para dar a volta e seguir em frente…
Bem Hajam pelo vosso trabalho magnifico!

Emília Borges
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

Patricia Alves
Patricia AlvesPsicóloga Clínica e da Saúde
Mostrar mais Artigos

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

4.5
4,5 rating
4.5 em 5 estrelas (total de 2 avaliações)
Excelente!50%
Muito bom50%
Assim, assim0%
Fraco0%
Péssimo0%
11/03/2019

Gostei. Ajudou-me a encarar melhor a situação de perda…Obrigada

Maria Albertina Pereira
11/03/2019

Considero uma excelente abordagem tendo em conta a particularidade do assunto em causa.
Mas sim, o percurso está todo mencionado e falo na primeira pessoa. Estou a acabar um processo de luto e os sentimentos assaltam-nos de forma intensa e cruel. é necessário muita persistência para dar a volta e seguir em frente…
Bem Hajam pelo vosso trabalho magnifico!

Emília Borges
2019-03-10T18:30:40+00:00Março 6th, 2019|Dicas, Luto, OP Angola, Patrícia Alves|
Translate »