JOVEM… JUNTA-TE A NÓS!

Jovem...junta-te a nós!

“JOVEM… JUNTA-TE A NÓS!”

Para escrever este artigo decidi “ir para a rua”, diretamente à fonte.

Sentei-me no meio de um grupo de “miúdos”, num final de tarde no início de Setembro, e perguntei: “de que é que se fala aqui?”. Quase em uníssono responderam “escola”!!!

“Pois é… está quase a começar.”

“O pior não é isso!”

E é verdade. O pior não era isso! O pior era a dúvida da entrada ou não na faculdade. Da entrada na primeira opção ou noutra qualquer. E, pior ainda, de ter que escolher aos 18 anos o que se vai fazer o resto da vida!

Gerir expectativas, frustrações, dúvidas… suas e dos pais.

Num momento da vida em que deviam estar a considerar e a vibrar com novas aventuras, novas etapas, estavam sem saber o que os esperava. Alguns têm, inclusivamente, que sair de casa e ir viver sozinhos tendo andado sempre na escola ao lado de casa.

Não são todos os jovens que sentem esta angústia do desconhecido em relação ao curso e à carreira profissional, mas, para os que sentem, será útil algum apoio e orientação.

Será que esta ideia de que um curso é uma coisa definitiva corresponde à realidade? Será que os deixa sem margem para outras opções? Ou é uma herança de gerações que tinham “empregos para a vida”?

Parece-me que é um misto!

Por um lado, têm pais que os prepararam para a entrada na faculdade desde que foram para o pré-escolar. A melhor escola, com o melhor ranking e as melhores atividades extracurriculares. Tentaram expor os seus filhos ao máximo de experiências possível na expectativa de que optassem por carreiras seguras. E é isso que estes jovens identificam. Têm pais que fizeram tudo por eles e querem retribuir, o que se reflete na escolha dos cursos.

O problema surge quando o curso escolhido não reflete, ou pode não refletir, a escolha pessoal! Ou, nem se sabe qual é a escolha pessoal!

Mas… voltando atrás…

Será uma licenciatura uma obrigatoriedade profissional? Não! É cada vez menos assim. Atualmente, para muitos alunos, a licenciatura é o início de um percurso que tem oportunidade de ser reorientado logo de seguida num mestrado. Já qui há a abertura de um leque grande de opções.

A experiência profissional que se vai adquirindo, os estágios e intercâmbios que se fizerem também abrem portas e caminhos que podem nunca ter sido pensados antes. É importante estar aberto às oportunidades e aproveitar!

E, se em algum momento se sentirem perdidos, procurem a ajuda do psicólogo que vos pode orientar. Um processo de reflexão e orientação vocacional pode acontecer em qualquer momento de um percurso académico ou profissional.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

0
0,0 rating
0 em 5 estrelas (total de 0 avaliações)
Excelente!0%
Muito bom0%
Assim, assim0%
Fraco0%
Péssimo0%

Luísa Menezes
Luísa MenezesPsicóloga Clínica
Load More Posts
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

2019-10-25T14:05:02+00:00Outubro 27th, 2019|Artigos, Autor(a), Carreira, Crianças & Pais, Luísa Menezes|