As Pistas do seu Sistema Nervoso

As pistas que o sistema nervoso lhe dá

As Pistas do seu Sistema NervosoAlguma vez já esteve numa situação em que se sente inseguro ou em perigo, mas não sabe ao certo porquê? Conhece aquela sensação de olhar à sua volta e reparar que ninguém parece estar incomodado, mas algo não parece estar bem para si?
Não reparamos, mas todos os dias estamos constantemente a ler sinais do ambiente à nossa volta. Ao interagir com os outros, captamos expressões faciais, a voz, o movimento corporal e muito mais. Estamos constantemente ocupados a observar e a interagir com o mundo e com os outros, o que faz parte da experiência humana.
Como temos estas interações com os outros, a nossa experiência está a ser moldada constantemente. Aprendemos sobre nós mesmos e sobre os outros; em quem podemos confiar ou quem sentimos que é perigoso para nós. O nosso corpo processa este tipo de informação constantemente através destas interações com o mundo.

O sistema de vigilância do corpo

O nosso sistema nervoso é uma estrutura complexa que reúne informações de todo o corpo e coordena as atividades. Existem duas partes principais do sistema nervoso: o sistema nervoso central e o sistema nervoso periférico.
O Sistema Nervoso Central consiste em duas estruturas: o Cérebro e a Medula Espinhal, enquanto o Sistema Nervoso Periférico consiste em todos os nervos externos ao cérebro e à medula espinhal. Pode ser categorizado em dois sistemas distintos: sistema nervoso somático (voluntário) e o sistema nervoso autónomo (involuntário).
O sistema nervoso somático permite que os nossos músculos e cérebro comuniquem entre si. Este sistema ajuda o cérebro e a medula espinhal a enviar sinais aos músculos para ajudá-los a moverem-se, e envia informações do corpo de volta ao cérebro e à medula espinhal.
O sistema nervoso autónomo controla as glândulas e os órgãos internos, como o coração, os pulmões e o sistema digestivo. Estas são, essencialmente, as partes do nosso corpo que funcionam sem que tenhamos de pensar intencionalmente sobre elas. Por exemplo, podemos respirar sem ter de pensar que estamos a respirar.

As pistas de perigo

O nosso sistema nervoso autónomo é complexo e está sempre ocupado. Além de executar funções importantes, como ajudar a respirar, ajudar o coração a bater e ajudar o estômago a digerir os alimentos, também nos ajuda a examinar, a interpretar e a responder a sinais de perigo.
Existem dois sistemas que funcionam separadamente no nosso sistema nervoso autónomo que nos ajudam a ler e a responder a sinais de perigo: o sistema nervoso simpático e o sistema nervoso parassimpático.
O primeiro ajuda-nos a dar respostas, mobiliza-nos para a ação quando enfrentamos situações de stress ou de perigo, é a chamada a reação de “luta ou fuga”. Também é responsável por ativar as nossas glândulas suprarrenais para libertar epinefrina na corrente sanguínea, também conhecida como corrida de adrenalina. Por exemplo, quando vemos uma cobra, o nosso sistema nervoso simpático lê a pista como uma potencial ameaça e impulsiona o corpo a responder, provavelmente, com uma rápida descarga de adrenalina, levando-nos a afastar imediatamente da cobra.
O segundo, o sistema nervoso parassimpático, é responsável por acalmar o nosso corpo, ajudando a diminuir a frequência cardíaca, a regular a digestão e a diminuir a pressão sanguínea. Quando percebemos que estamos perante uma “pista” que não é perigosa, o nosso corpo começa a acalmar com a ajuda do sistema nervoso parassimpático.

Ler o nosso ambiente

Desde o nascimento, estamos a analisar intuitivamente o nosso ambiente à procura de pistas de segurança e perigo. Um bebé responde aos sentimentos de segurança e de proximidade com os seus pais ou educadores. Da mesma forma, um bebé responderá a sugestões que são percebidas como assustadoras ou perigosas, como um estranho, um ruído assustador ou uma falta de resposta dos pais. Procuramos pistas de segurança e perigo durante toda a nossa vida.

Neurocepção

O processo no qual os nossos circuitos neuronais leem pistas de perigo é chamado de neurocepção. Através da neurocepção, experienciamos o mundo de uma forma involuntária, onde examinamos situações e pessoas para determinar se são seguras ou perigosas. Este processo acontece fora da nossa consciência. Assim como somos capazes de respirar sem termos de o dizer para o fazermos, somos capazes de analisar o ambiente à procura de pistas sem termos de o dizer para o fazermos.

O nervo vago

Há um nervo em particular, que é do interesse do Dr. Stephen Porges, professor universitário, cientista e autor da Teoria Polivagal. O nervo vago é o décimo nervo craniano e tem duas vias: dorsal e ventral. Estas vias percorrem todo o nosso corpo, consideradas como tendo a distribuição mais ampla de todos os nervos do corpo humano. Este nervo é bastante importante neste processo, pois as suas duas vias podem ser estimuladas. Verificou-se que cada uma delas (ventral e dorsal) responde de diferentes maneiras à medida que analisamos e processamos informações do nosso ambiente e das interações sociais.
O lado ventral do nervo vago responde a sinais de segurança, dando-nos sensações de segurança física e de estarmos emocionalmente conectados a outras pessoas no nosso ambiente social.
Por outro lado, a parte dorsal responde a sinais de perigo, o que nos afasta da conexão, da consciência e conduz-nos a um estado de autoproteção. Nos momentos em que podemos sentir uma pista de perigo extrema, podemos desligar e sentirmo-nos congelados, uma indicação de que nosso nervo vagal dorsal assumiu o controlo.

Três estágios de desenvolvimento de resposta

Dentro da teoria polivagal, existem três estágios evolutivos envolvidos no desenvolvimento do nosso sistema nervoso autónomo. Em vez de simplesmente sugerir que existe um equilíbrio entre o sistema nervoso simpático e o parassimpático, Porges descreve que, na verdade, existe uma hierarquia de respostas inserida no sistema nervoso autónomo:

  • Imobilização. Descrita como a via mais antiga do nosso desenvolvimento, a qual envolve uma resposta de imobilização. Como foi referido anteriormente, o lado dorsal do nervo vago responde a sinais de perigo extremo, fazendo com que fiquemos imóveis. Isto significa que responderíamos ao medo, paralisando e desligando. Quase como se o sistema nervoso parassimpático entrasse em ação, a nossa resposta resulta num congelamento, em vez de, simplesmente, desacelerar.
  • Mobilização. Dentro desta resposta, somos atraídos pelo nosso sistema nervoso simpático que é o sistema que nos ajuda a mobilizar diante de uma pista de perigo. Entramos em ação com a adrenalina para fugir do perigo ou combater a ameaça. A teoria polivagal sugere que este caminho foi o seguinte a desenvolver-se na hierarquia da evolução.
  • Envolvimento social. A mais recente na hierarquia de respostas, baseia-se no lado ventral do nervo vago. Relembrando que esta parte do nervo vago responde a sensações de segurança e conexão, o envolvimento social permite-nos sentir ancorados e é facilitado por este caminho vagal ventral. Neste espaço, podemo-nos sentir seguros, calmos, conectados e envolvidos.

A hierarquia de respostas na vida quotidiana

À medida que vamos vivendo, existirão sempre aqueles momentos em que nos sentimos seguros e outros ou em que nos sentimos desconfortáveis ou em perigo. A teoria polivagal sugere que este espaço é fluido e podemos entrar e sair destes diferentes estados dentro da hierarquia de respostas.
Podemos sentir um envolvimento social no abraço de um ente querido e, no mesmo dia, encontrarmo-nos em mobilização ao sermos confrontados com perigos como um cão raivoso, um assalto ou um conflito com um colega de trabalho.
Há momentos em que podemos ler e responder a uma pista de perigo e processar a situação de uma maneira que nos leva a sentirmo-nos presos e incapazes de sair da situação. Nesses momentos, o nosso corpo está a responder a sentimentos crescentes de perigo e angústia, movendo-se para um espaço mais primordial de imobilização. O nervo vago dorsal está ativado e prende-nos num estado de congelamento, numa sensação de dormência. Por isso, as pistas de perigo podem tornar-se em algo esmagador.

Impacto do trauma

Quando alguém passa por uma experiência traumática, principalmente em situações nas quais foi imobilizado, a sua capacidade de examinar o ambiente à procura de sinais de perigo pode ficar distorcida. Obviamente, o objetivo do nosso corpo é ajudar-nos a evitar outro momento aterrador, por isso, fará o que for necessário para ajudar a proteger-nos.
O estado do compromisso social permite-nos interagir com mais fluidez com os outros, sentindo-nos conectados e seguros. Quando o nosso corpo capta uma pista numa interação que sinaliza que podemos não estar seguros, começa a responder. Para muitos, essa pista pode movê-los para uma resposta de mobilização, entrando em ação para tentar neutralizar a ameaça ou fugir da mesma.
Para aqueles que sofreram um trauma, o sinal de uma pista de perigo pode movê-los do estágio de envolvimento social para o de imobilização. À medida que associam inúmeras pistas como perigosas, como uma ligeira mudança na expressão facial, um tom de voz específico ou certos tipos de postura corporal, podem voltar a um tipo de resposta que lhes é familiar.

As Pistas do seu Sistema Nervoso

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

4.5
4,5 rating
4.5 em 5 estrelas (total de 4 avaliações)
Excelente!75%
Muito bom0%
Assim, assim25%
Fraco0%
Péssimo0%
31/03/2020

Interessante tenho depressão muitos anos tomo medicamentos desde então .

Dimitrios theocaris tsukalas
15/03/2020

Tento perceber se por aqui tinha explicação para o que se passa no meu cérebro em algumas situações é boa vejo aqui informação muito importante. Obrigado

Luis
12/03/2020

Excelente texto! Bastante educativo e explicativo. Foi, para mim, muito útil e proveitoso para o meu aprendizado em neuropsicologia.

Edison Eduardo Paula de Oliveira
11/03/2020

excelente.

Wellington
Cristiana Pereira
Cristiana PereiraPsicóloga Clínica
Load More Posts
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

2020-03-23T15:47:37+00:00Março 11th, 2020|Artigos, Cérebro, Cristiana Pereira, neuropsicologia|