Ajudar um amigo que está em baixo

Ajudar amigo que está em baixoAjudar um amigo que está em baixo

Os adolescentes preocupam-se com os amigos, estão sensíveis aos seus estados emocionais e tendem a sentir-se impelidos a ajudar quando têm um amigo “em baixo”.

É relativamente frequente, nas minhas consultas, ter adolescentes, eles próprios muitas vezes em grande sofrimento emocional, que partilham comigo a sua preocupação com a instabilidade emocional, particularmente com sintomas depressivos e ansiosos, que amigos seus manifestam. Procuram compreender aquilo que se está a passar e saber como podem ajudar o amigo. A sensação dos meus pacientes é habitualmente de urgência de ação e ao mesmo tempo de alguma impotência por nem sempre saberem como agir.

Se o seu filho manifesta preocupação com algum amigo, há algumas reflexões que poderá partilhar com ele sendo fundamental, à partida, definir a fronteira entre aquele que é o papel de um amigo (e que poderá ser o do seu filho) e aquele que é o papel de um profissional de saúde, não devendo nunca o seu filho sentir-se na obrigação de “resolver” o problema.

Nesse sentido aqui ficam algumas sugestões dirigidas a adolescentes, merecendo ser refletidas em conjunto com um adulto significativo.

   Se tens um amigo cujo comportamento ou gestão das emoções te preocupa…

  • Incentiva o teu amigo a conversar. Falar sobre sentimentos dolorosos pode ser avassalador, mas poderás dizer-lhe algo como “Pareces estar mesmo em baixo. Nem pareces tu. Gostava mesmo de poder-te ajudar. Há alguma coisa que eu possa fazer?”
  • Lembra-te que o teu amigo não espera que tu tenhas respostas milagrosas. Em princípio, ele procura alguém que o oiça e que o apoie. Ao escutares e responderes sem criticar já estás a ajudar de forma importante.
  • Encoraja o teu amigo a procurar ajuda, junto de um adulto de confiança. Esse adulto poderá ser a mãe, o pai, um irmão mais velho, um professor ou um psicólogo. Dar este passo, assumindo perante um adulto que existe algum problema pode ser desconfortável, por isso, a tua presença pode ser apoiante. Poderás oferecer-te para o acompanhares nessa conversa.
  • Se o teu amigo falar em fazer mal a alguém ou a si próprio, conta imeadiatamente a um adulto de confiança. A maior e mais importante ajuda que poderás dar nesse momento é procurar ajuda adequada rapidamente. Mesmo que tenhas prometido não contar nada acerca das vossas conversas, lembra-te que só assim o estarás a ajudar, evitando que se magoe ou magoe alguém.

E muito importante…

  • Cuida de ti! Apoiar alguém que está a sofrer pode ser bastante desgastante. Por isso, não ponhas em causa o teu próprio bem-estar e fala com alguém sobre como tu te estás a sentir.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

3
3,0 rating
3 em 5 estrelas (total de 1 avaliações)
Excelente!0%
Muito bom0%
Assim, assim100%
Fraco0%
Péssimo0%
09/04/2019

Muito interessante e importante mesmo.
Sou adulta e as vezes parece que tenho que resolver os problemas dos outros, ou que me queiram colocar o mundo sobre minha cabeça. Percebi com este artigo, que não tão necessariamente deve ser assim.
É como se me tivessem liberta de um grande peso.
Obrigada

Cristina Vitória Alberto Muehombo Ferreira
Inês Afonso Marques
Inês Afonso MarquesPsicóloga Clínica

Marque consulta comigo

Pretendo: (obrigatório)
Marcação de ConsultaInformações ou Reunião



Ao usar este formulário, concorda com o armazenamento e o gerenciamento dos seus dados por este site.

Mostrar mais Artigos
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

Translate »