A sua vida profissional está a desenhar um U?

A sua vida profissional está a desenhar um UTalvez você seja um sortudo. Talvez tenha conseguido manter-se feliz no seu trabalho por 10, 20, 30 anos. Talvez se sinta envolvido, realizado e desafiado e com a noção que o seu trabalho potencia o seu talento. Sinta-se à vontade para não ler o resto do artigo.

Para os restantes, a realidade laboral pode ser outra e estarem a vivenciar uma crise na carreira (pode substituir “crise” por “descontentamento”). Segundo os investigadores das áreas de gestão e bem-estar no trabalho, as pessoas que estão pouco envolvidas no seu trabalho, que se sentem desconectadas com o que fazem, são mais propensas a relatar stress e dor física. Este descontentamento não varia com a idade, mas as pessoas mais velhas relatam maior insatisfação, por uma razão diferente: a insatisfação não é só com o trabalho actual, mas com a (percepção de) falta de oportunidades futuras.

O que acontece para quem quer (ou é empurrado) a mudar de trabalho? A primeira coisa que podemos pensar é: “Que óptima oportunidade para fazer algo diferente, para se fazer algo que gosta?” Mas o foco muda logo para “Eu não sei outra coisa… estudei durante muitos anos para saber executar uma função, para não falar do dinheiro e outros custos e oportunidades para obter a minha educação”. As histórias que se ouvem das pessoas que mudam de carreira são aterrorizantes: não conseguem emprego, ficam no desemprego muitos anos, têm de realizar trabalhos abaixo das qualificações que têm. Estas ideias também propagam os ideais instituídos: dinheiro é sucesso, ninguém é feliz num trabalho de baixas qualificações, não se pode parar de trabalhar, nem que seja para perceber que rumo se quer dar ao percurso profissional. Todos os livros e artigos são dedicados a tornar-se bem-sucedido. Não há nenhuma secção na livraria marcada “Como gerir o seu declínio profissional”.

E depois não podemos esquecer que Jonathan Rauch descreve uma curva de felicidade em forma de U, um fenómeno caracterizado pelos economistas Andrew J. Oswald e David G. Blanchflower. Ou seja, a nossa satisfação no trabalho sofre uma queda no meio da carreira, paralela ao estádio de vida em que estamos, que será a meia-idade, para depois subir novamente.

E, no entanto, mesmo que consiga suportar a curva do U, que é como quem diz, se conseguir suportar o seu descontentamento alguns amos, as evidências sugerem que provavelmente seria melhor ajustar o seu percurso. O Instituto de Pesquisa da Felicidade de Copenhague avaliou 2.600 trabalhadores dinamarqueses, de todos os setores e tipos de emprego, sobre as fontes de satisfação profissional. O principal factor que contribui para a satisfação profissional? O vencedor, por uma margem considerável, é a sensação de propósito, é uma vida de significado e esforço em direção a um propósito. Há  um crescente corpo de pesquisa a indicar que ter um senso de propósito é um poderoso preditor de robustez mental e física.

Não estamos a dizer que mudar a sua carreira a meio, seja fácil. Mas mesmo que seja difícil aprender novas habilidades ou navegar numa nova cultura corporativa, mudar a sua carreira pode ser o melhor investimento que você pode fazer para a sua saúde. Ao mesmo tempo, será importante gerir expectativas, ser realista e flexível. Se vai mudar de área de trabalho ou mudar de emprego, porque não “molhar só os pés em de mergulhar de cabeça”? Poderá voluntariar-se, fazer uma formação, procurar informação sobre  o que pretende fazer e em vez de uma transformação total, dar um salto mais modesto e ter objetivos mais realistas. Um profissional a meio da carreira tem uma biografia suficientemente robusta para se conhecer – onde se destaca e com o que se debate, o que gosta e o que teme – e esta informação poderá guiar a sua próxima fase. Os investigadores que trabalham com a satisfação profissional e ao entrevistarem pessoas que deram este “salto” perceberam que poucos lamentaram a tentativa, mesmo que tenham falhado e regressado ao trabalho anterior. As pessoas que mais expressaram arrependimento, foram aquelas que nunca tentaram.

As mudanças de carreira tendem a ser menos dramáticas do que aquelas que fantasiamos sobre, e também mais assustadores e mais difíceis do que o previsto. Então faça o que realmente lhe faz sentido. O seu trabalho é importante. O seu trabalho actual ou futuro poderá ser fonte de autoconfiança e sentido de propósito.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

0
Rated 0 out of 5
0 em 5 estrelas (total de 0 avaliações)
Excellent0%
Very good0%
Average0%
Poor0%
Terrible0%

There are no reviews yet. Be the first one to write one.

Ana Rosa
Ana RosaPsicóloga Clínica
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

2019-10-20T16:02:55+01:00Ana Rosa, Carreira|
Go to Top