Rótulos que Usamos

Rótulos que usamosImagine alguém que quer mudar a sua relação, descrevendo um comportamento repetitivo de manipulação por parte do parceiro e a incapacidade de sair deste mesmo padrão, considerando que se se esforçar mais, o parceiro vai amá-la mais. Fala do parceiro e da relação como sendo tóxicos e fica ancorada aqui. Muitas vezes o assumir este tipo de caracterização, pode levar a um aumento da sensação de impotência, culpabilização e vergonha: “Mas é tão óbvio que isto é tóxico, porque não saio?” Como se uma dinâmica relacional destas viesse com um aviso, com um disclaimer, como os pesticidas. “Estou-me a auto-sabotar!” O uso da terminologia “tóxico” e “sabotagem”, embora possa ser uma maneira fácil de caracterização, pode levar a uma visão a preto e branco.

Ao colocarmos a reflexão num padrão relacional, que afeta a forma como navegamos no mundo e que ao ser repetido, está a tentar cumprir uma necessidade relacional que não foi satisfeita, pode abrir caminho para a resiliência, para a construção de significado e crescimento.

Imagine agora que, enquanto crescia, esta pessoa, nas suas relações, aprendeu que o amor e o cuidado é condicional e completamente dependente de critérios arbitrários ou mutáveis, ou que era melhor que não expressasse necessidades e colocasse limites, e aprendeu a relacionar-se com cuidado, para evitar a zanga e fazer o que fosse necessário para que as pessoas à sua volta, ficassem felizes e se mantivessem em relação com ela.

É importante abordar este tema com curiosidade e clareza sobre o que está a ser dito, e em psicoterapia é feito através de alguma psicoeducação, mapeamento desta “dança” e ajudar a clarificar os vários papéis e funções que cada um está a assumir nesta relação. Poderá ser interessante perceber que necessidade está a ser cumprida, de cada vez que se mantém na relação, incluindo os temas de vergonha, até porque esta emoção pode, não propositadamente, mas inevitavelmente, alimentar um ciclo: a vergonha de não sair da relação, torna-se a razão para ficar. É particularmente interessante, já que a auto sabotagem toca no tema de dissonância, no desequilíbrio interno ou desconforto experimentado quando palavras, ou ações não se alinham com crenças e valores. Fazer este trabalho de ligação pode ajudar a trazer à reflexão uma história de um mundo interno, de necessidades não satisfeitas ou satisfeitas num formato “tóxico”, o assumir o poder e responsabilidade na dinâmica relacional, definir limites e quebrar padrões.

O mesmo pode acontecer quando falamos em emoções tóxicas, já que associado ao tóxico, vem esta ideia de uma emoção ser má e como tal, não se endereça, tem de se anular e esconder. Este tipo de nomenclaturas podem invalidar toda a experiência emocional humana e negligenciar a regulação emocional, impedindo que as emoções sejam processadas e identificadas na sua intencionalidade e função.

Outro fenómeno é a Síndrome do impostor. Descrito pela primeira vez pelas psicólogas Suzanne Imes e Pauline Clance, na década de 1970, mas em crescimento nos últimos anos, é um conceito que descreve indivíduos que apresentam uma incapacidade de internalizar as suas concretizações e um medo persistente de serem expostos como uma “fraude”. Normalmente, as pessoas utilizam este termo como diagnóstico (embora não o seja) e rótulo. Esta nomenclatura, muitas vezes, não permite observar a complexidade da pessoa, nas próprias características como traços de personalidade, crenças sobre competência, ambientes familiar e profissional altamente exigentes, vivências emocionais como a ansiedade, a depressão, e estratégias de coping utilizadas como, por exemplo, evitamento e compensação.

Embora todas estas terminologias sejam âncoras e organizadores importantes, podem-se tornar muito superficiais e simplistas. Não é fácil confrontar estas perspetivas em nós, muitas vezes encontramos uma polarização de dois lugares que não se cruzam, implicando ficarmos em lugares desconfortáveis e desafiarmo-nos, mas é importante não deixar que “o mapa se confunda com o território”.

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

0
Rated 0 out of 5
0 em 5 estrelas (total de 0 avaliações)
Excellent0%
Very good0%
Average0%
Poor0%
Terrible0%

There are no reviews yet. Be the first one to write one.

Ana Rosa
Ana RosaPsicóloga Clínica
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

Go to Top