Sobre relacionamentos e medo: ganha quem se importa menos?

Sobre relacionamentos e medoVocê já reparou que as pessoas estão com medo de começar uma relação?

Talvez porque, num mundo cheio de incertezas (crises econômicas e sociais, competição desenfreada, violência urbana, aquecimento global, e muitos etcéteras) estamos sempre em busca de um lugar seguro, e tendemos a fugir de tudo o quanto pode representar qualquer ameaça.

Por trás de nossos óculos escuros/ vidros fechados/ portões trancados, criamos ‘conchas’ protetoras comportamentais: evitando intimidade e envolvimentos, nos relacionamos superficialmente, temos mais conhecidos virtuais que amigos verdadeiros, e nosso ponto de encontro favorito é o WhatsApp; por ele comunicamos nossos interesses e sentimentos ao mundo, sem nem precisar usar palavras – temos os emojis. Não gostou? Bloqueia. Gostou? Dá um like. Gostou muito? Vira seguidor no Insta e no Face.

Tá solteiro? Entra no Tinder, no Happn, no Grindr…Mas é só pegação, ok? Sem compromisso!

Neste contexto, os relacionamentos afetivos acabam por se sustentar em jogos psicológicos subliminares, uma espécie de competição perde- ganha, em que o vencedor é aquele que parece se importar menos com o outro.

Por esta nova ‘ética’, a regra diz que, se por exemplo ele demora a responder sua mensagem, você também deve demorar para responder; assim não vai parecer que está tão interessada e disponível que olha o celular de minuto em minuto, certo? Assumir um namoro, só depois de meses ‘ficando’, e mesmo assim, deixando sempre aberta a ‘saída de emergência’. Nos fazemos de difíceis só para testar se a outra pessoa vai se esforçar o bastante; nós mesmos não entendemos direito por que o fazemos.

O medo de se entregar, se comprometer e decepcionar acaba criando um tipo de covardia amorosa, onde os relacionamentos, incipientes, delimitados a um espaço de controle, terminam com um deixando a vida do outro sem saber de sua importância e significado durante o tempo em que estiveram juntos.

Ao despender tanta energia nestes jogos de ‘fingir que não liga’, de ‘fazer a fila andar’, estamos nos esquecendo de uma realidade fundamental: como humanos, precisamos sim de nos envolver, de arriscar, e encarar constatação de que, afinal, faz muito bem se dedicar por inteiro ao outro, sair de mãos dadas por aí, e viver uma relação de verdade.

Ísis de León

Psicóloga da Oficina de Psicologia Brasil

(31)3284-8703

belo.horizonte@oficinadepsicologia.com

[contact-form-7 404 "Not Found"]

The post Sobre relacionamentos e medo: ganha quem se importa menos? appeared first on Oficina de Psicologia.

Ísis Léon
Ísis LéonPsicóloga
Load More Posts
2018-06-25T08:06:32+01:00Junho 25th, 2018|Ísis León, OP Brasil, Relações|
Go to Top