Nem tudo o que parece, é

Nem tudo o que parece, éEla cuida da sua imagem visual, revela uma postura de “nada me toca”, fala com determinação sobre o que quer e não quer. Serão estes sinais de falta de amor próprio? O que poderá esconder a aparência?

Com o baú emocional aberto, Clarice (nome fictício), questiona as boas ações do namorado com frequência. Os seus próprios amigos são alvo de crítica como forma de se sobrevalorizar.

Senta-se na poltrona e afirma que se o namorado a ama terá de…… (listando uma série de obrigações), caso contrário termina a relação na hora, sem dó nem piedade, pois ela sabe o que não quer.

A lista foi criada sem ter em conta as necessidades emocionais do seu namorado, satisfaziam os seus próprios interesses e sem qualquer hipótese de negociação. Apesar da sua intransigência, o namorado oferecia-lhe flores de forma regular e esta demonstração de afeto era vista como suspeita e por isso desvalorizada na sua essência.

Por detrás desta aparente segurança há uma crença (talvez não consciente) “como é que ele pode ser mais amável comigo do que eu mesma?”.

Ao interpretar as boas intenções como suspeitas contra si mesma,  transformou-se numa hipervigilante com comportamentos defensivos gerando cada vez mais stress e ansiedade.

A sensação de perda de controle foi aumentando drasticamente à medida que a relação sobrevivia às provas do tempo. O medo e a tristeza apoderavam-se do dia-a-dia do casal e as férias mais pareciam um massacre.

Com lentes defensivas e estratégias evitativas, a Clarice foi-se revelando uma mulher de atitudes tensas, por vezes violentas provenientes da sua insegurança emocional e baixa auto-estima. Tudo isto mascarado por um visual, uma retórica e uma moral irrepreensíveis.

E o que temia, face ao seu processamento equivocado da realidade, tornava-se real reafirmando o seu ponto de vista.

Este ciclo vicioso de acontecimentos sucessivos (suspeita, atitudes exageradas e fora do lugar, processamento e reafirmação pessoal), davam-lhe a postura de “nada me toca” pois afinal tudo acontecia como ela esperava.

Uma estratégia distorcida de “falsa” valorização, que por vezes designamos por amor-próprio e que na verdade não o é.

Maria Bartolomeu
Maria BartolomeuPsicoterapeuta corporal. Formadora
Load More Posts
2017-11-30T10:34:29+00:00Novembro 30th, 2017|Maria Bartolomeu, Relações|