Mindfulness viral não é mindfulness real

Mindfulness viralPresença. Consciência. Atenção plena. Não julgamento. Compaixão. Soa-lhe bem? Provavelmente, como muitas pessoas, o seu maior desejo é conseguir encontrar um espaço de serenidade, de maior envolvimento com o realidade do mundo à sua volta e não com os mundos que cria dentro de si.

Tenho observado, infelizmente, que muitas pessoas “usam” o Mindfulness para atingir algo. Mais foco, mais tranquilidade, mais produtividade. Pois se vão à procura disto é provável que não o encontrem.

Dou-lhe um exemplo. Sabe quando quer relaxar? Qual é a pior coisa que lhe podem dizer?

Isso: Relaxa!

Sabe porque é que é a pior coisa que lhe podem dizer? Exactamente porque, se estiver ansioso ou tenso, o seu sistema de alerta vai estar à procura de uma resolução imediata e quanto mais se foca na tentativa de relaxar, pior se torna o cenário. Imagine esta corrente de pensamentos, uns a seguir aos outros:

  1. Estou ansioso
  2. Não devia estar ansioso
  3. Como é que eu mudo/páro isto?
  4. Eu não me devia mesmo sentir assim, tenho de relaxar rápido.
  5. Isto só vai piorar, não estou a conseguir.

O que é que o Mindfulness tem a ver com isto? Tudo! Porque é neste pressuposto de causalidade, de que se eu fizer A e se eu conseguir B então atinjo Z, que muito do nosso sofrimento é gerado.

Assim, a aprendizagem de Mindfulness não é uma panaceia mágica. De um conjunto ainda pequeno de validação científica robusta, sabemos que esta aprendizagem envolve:

  1. Reconhecimento dos padrões de pensamento (a história que está a ser contada)
  2. A vivência do corpo e a sua relação com esta história
  3. Os padrões internos de resistência à sensação e a capacidade de abrir espaço para permitir a experiência como ela é, e não pela história que é contada (experiencial e não conceptual).
  4. Respiração e corpo como âncoras da realidade e consciência alargada do movimento momento-a-momento das sensações, emoções e pensamentos.
  5. Compreensão vivida vs. compreensão adquirida

Por isso, se eu for praticar uma atitude global de relação comigo e com os outros como é o Mindfulness sem nunca perceber que o que tenho para aprender é uma prática experiencial (ou seja, é preciso conhecer, vivendo o corpo e a sua relação com as emoções e com os pensamentos de forma consciente e presente!) e não uma metodologia de resolução de problemas XPTO… posso estar num caminho incompleto.

Conheça o Programa Experimente Mindfulness

Temos, neste momento, um desafio enorme nesta prática que se tornou viral. Mindfulness viral não é mindfulness real. Porquê?

Porque esta viralidade sem genuinidade, prática diária e validação inequívoca da comunidade científica, corre o risco de um entendimento superficial, desligado do real potencial terapêutico disseminando uma assunção perigosa de que Mindfulness é para todos.  Nem o Mindfulness é para todos, nem é algo que se possa resumir por palavras e clichés.

É neste sentido que o nosso desafio com o Programa Experimente Mindfulness tem sido o de permitir às pessoas um primeiro contacto com pressupostos essenciais da prática ajudando, ao longo de seis semanas, ao começo do desenvolvimento de novas possibilidades na relação consigo e com o mundo.

Sabemos que a cada passo desenvolvemos um caminho que pode conduzir a maior bem-estar. A cada passo estamos presentes. Neste caso, para si e consigo.

Autoria

Nuno Mendes Duarte
Nuno Mendes DuarteDirector Clínico
Psicólogo Clínico e Psicoterapeuta

Marque consulta comigo

Pretendo: (obrigatório)
Marcação de ConsultaInformações ou Reunião



Ao usar este formulário, concorda com o armazenamento e o gerenciamento dos seus dados por este site.

Mostrar mais Artigos
Translate »