Parar para Sentir

Parar para sentirExiste um pouco a ideia de que, para evitar pensar nas nossas emoções desagradáveis, o melhor é estar permanentemente ocupado. Dessa forma, estando a mente ocupada com outras coisas, não existe espaço para pensar naquelas emoções difíceis de sentir e, com sorte, até acabar por esquecê-las.
Se é verdade que uma mente ocupada é uma mente mais saudável, também é verdade que esconder ou esquecer emoções desagradáveis, não significa resolvê-las e, sobretudo, evitar que outras emoções também difíceis de sentir venham em sua substituição.

Os autores de um estudo desenvolvido na Universidade de Toronto, no Canadá, chegaram à conclusão de que os participantes que aceitavam os seus sintomas ou sentimentos “negativos”, experienciavam, a longo prazo, menos emoções desagradáveis, o que levava a uma melhor saúde mental, comparativamente com os participantes que ignoravam estes sentimentos e procuravam apenas ocupar os seus dias com outras atividades.

A supressão de emoções pode levar a stress físico no corpo e a outros efeitos negativos, como afetar a pressão arterial, a memória, a autoestima, entre outros. Por outro lado, a aceitação dessas emoções pode melhorar, substancialmente, o bem-estar psicológico.

As nossas emoções não estão sob o nosso controlo consciente, visto que estas se originam numa secção do cérebro que não é controlada conscientemente.
A maior parte das pessoas tende a seguir a ideia, por vezes apreendida de forma inconsciente, que quando existe uma emoção desconfortável, esta deve ser ignorada. Ora, a ciência demonstra que, para nos sentirmos melhor a nível psicológico (e físico), precisamos de aprender a identificar estas emoções, perceber a sua natureza e saber trabalhar com elas, de forma que deixem de ser um peso negativo na nossa consciência e passem a ser mais um contributo na nossa contínua lição de vida.

Desafio para aceitar as emoções?
É importante termos momentos de reflexão, num local relaxante, que nos permita perceber o que temos vindo a sentir, quais as suas causas e, a partir daí, definir um caminho para a sua resolução/aceitação. Esta aceitação e educação sobre as emoções pode ser facilitada através, por exemplo, da psicoterapia, do mindfulness, ou da meditação. Desta forma, não só resolveremos o que nos preocupa hoje, como também estaremos melhor preparados para resolver aquilo que nos vier a preocupar no futuro.

Vamos parar para sentir?

Qual foi o interesse que este artigo teve para si?

5
Rated 5 out of 5
5 em 5 estrelas (total de 1 avaliações)
Excellent100%
Very good0%
Average0%
Poor0%
Terrible0%
02/06/2022

Interessante! Obrigado

Francisco
Madalena Fermoselle
Madalena FermosellePsicóloga Clinica
Newsletter 3

A NOSSA NEWSLETTER

PODE MUDAR-LHE A VIDA

  • Recheada de informações úteis da Psicologia para MELHORAR A SUA VIDA

  • É GRATUITA

  • GANHA logo um curso de RESPIRAÇÃO CALMANTE

  • Só lê se quiser

  • De PRESENTE, também recebe um GUIA para o conforto do SISTEMA NERVOSO

  • Desiste quando quiser (mas nós ficamos tristes…)

  • Fica a saber mais de Psicologia do que o seu vizinho

  • Ninguém sabe que a recebe

  • Não se arrisca a perder os nossos PRESENTES e PROMOÇÕES exclusivos

  • Sabe tudo primeiro do que os outros

Go to Top