Vera Martins

Vera Martins

A ciência mostra que a paixão que sentimos no início de um romance pode ser eficaz no combate à dor. É que esta fase inicial das relações românticas é caracterizada por sentimentos intensos de euforia, bem-estar e preocupação com o parceiro.

A investigação através da neuroimagem tem mostrado que estes sentimentos estão relacionados com a ativação do sistema de recompensa do cérebro. E é precisamente este mecanismo cerebral que é importante para a gestão de dor.

Em estudos recentes foi possível demonstrar que a visualização de fotografias do parceiro romântico reduzia a dor (térmica) experimental. Perante esta conclusão, os investigadores procuraram entender melhor o mecanismo envolvido nesta redução da dor, já que é uma questão muito útil e pertinente na saúde humana.

Para isso, realizaram um estudo para verificar a sua hipótese de que a visualização de fotografias do parceiro romântico reduzia a dor porque desencadeava a ativação dos centros de recompensa do cérebro. E assim, usaram a ressonância magnética cerebral para estudar o cérebro de 15 sujeitos que se encontravam a viver os seus primeiros 9 meses de uma relação romântica nova ou seja, estavam na fase da paixão.

Aos sujeitos foram pedidas 3 tarefas diferentes enquanto sentiam dor térmica: a primeira era a visualização de fotografias da pessoa por quem estavam apaixonados; a segunda era a visualização de fotografias de uma outra pessoa atraente e conhecida; a terceira era uma tarefa distrativa de associação de palavras que já tinha demonstrado reduzir a dor.

Quer as fotos do parceiro, quer a tarefa de distração reduziram significativamente a dor. No entanto, apenas as fotos do parceiro estavam associadas aos mecanismos cerebrais de recompensa. Quanto maior a atividade dos centros de recompensa, maior o efeito analgésico. Estes resultados sugerem que é possível conseguir algum efeito analgésico sem medicamentos.

Mas, mais importante ainda, é que fica novamente demonstrado o efeito poderoso das emoções positivas e dos relacionamentos afetivos gratificantes não só sobre sobre a nossa saúde mental mas também sobre a nossa saúde física.

Vera Martins – Programa Pain Coaching

Fonte: Younger J, Aron A, Parke S, Chatterjee N, Mackey S (2010) Viewing Pictures of a Romantic Partner Reduces Experimental Pain: Involvement of Neural Reward Systems. PLoS ONE 5(10): e13309. doi:10.1371/journal.pone.0013309.