Mas afinal o que é a memória?
            

A nossa memória é uma peça muito importante do nosso funcionamento cerebral e está muito ligada à inteligência uma vez que se traduz na capacidade de reter ou  fixar as coisas que aprendemos.

E o que significa ter boa ou má memória?

Quando nos referimos a ter boa ou má memória estamos a falar da capacidade de ter acesso a informações que já retivemos antes. Ou seja, podemos dizer que temos boa memória se sentirmos que é fácil ir “buscar” dados que já tinha guardado. Quando nos é difícil “encontrar” informação que sabemos que já guardámos antes, costumamos dizer que temos má memória ou falta de memória.

 
E onde mora a memória?

Os cientistas que se dedicam a estudar a memória andam em busca da sua morada mas parece que não é muito fácil encontrar. Já foram apontadas

algumas localizações consideradas importantes como o hipocampo e o córtex nasal mas os estudos mais recentes parecem apontar para a ideia de que a memória não está localizada apenas numa estrutura.

Mas como pode ser? A memória não é um armazém onde guardamos informação?

Pensamos normalmente na memória como um armazém porque temos a percepção de que guardamos a informação em algum lado, naturalmente.
Mas a verdade é que a memória não é uma casa ou armazém, não é um local estático. A memória é uma actividade, um processo de recolha de informação que nos permite recuperar e reconstruir informação a que já tínhamos tido acesso anteriormente.

E porque é diferente de pessoa para pessoa?

Como todos os processos mentais, a memória também varia com muitos factores da própria pessoa e também com factores relativos aos eventos. Muitas vezes memorizamos melhor dados ou acontecimentos que têm grande importância para nós e esquecemos outros aos quais não atribuímos significados. Além disso, outros factores para além da motivação parecem interferir com o acesso à memória como a ansiedade, a depressão, problemas de sono, dificuldades de atenção ou concentração. Em situações mais graves podemos estar perante doenças que comprometem o funcionamento cerebral e, consequentemente a memória como as demências ou outras doenças neurológicas.

Tem outras questões?

Se tem outras dúvidas ou preocupações, traga-nos a sua memória, fazemos um check-up gratuito e ajudamos a perceber o que se passa e o que poderá ser feito para resolver o que possa estar a preocupar. Da Psicoterapia à Neuroterapia e à Neuropsicologia, existem muitas soluções para melhorar a memória e os vários factores que a influenciam.
Vera Martins